Deixe um comentário

Arquivado em Divulgações

ANGÚSTIA E EXISTENCIALISMO

Google imagens

O termo “Angústia” tem sua origem do latim “Angustus” que significa “estreito, apertar, afogar”. Comumente, a angústia é entendida como um estado de aflição, de sofrimento. Experimentada por todos os homens, em todas as culturas, confunde-se com o desespero. Existem vários tipos de leitura acerca da angústia. Há a leitura psicológica, que a compreende segundo as manifestações clínicas e psicopatológicas, e busca atentar para os sintomas apresentados, no intuito de encontrar uma cura para o sofrimento causado, através de métodos que controlem os sintomas, removendo totalmente a angústia. O enfoque humanista sobre a angústia é construído a partir de uma visão filosófica. Dados os fundamentos humanistas da gestalt-terapia, considera-se necessário recorrer ao campo da filosofia para fundamentar a possibilidade de trabalhar uma visão existencial do conceito de angústia. Há a leitura ontológica que considera a angústia enquanto um fenômeno que atinge todo ser enquanto perda do fundamento pessoal da existência e, conseqüentemente, do sentido de vida, visa compreender a angústia enquanto inerente ao ser e, como tal não há o que se curar porque não há como remover a angústia do ser.

O Existencialismo como especulação filosófica visa a análise minuciosa da experiência humana em todos os seus aspectos teóricos e práticos, mas acima de tudo dos aspectos irracionais da vida humana. O existencialismo é uma corrente filosófica que destaca a liberdade individual, a responsabilidade e a subjetividade do ser humano. Considera cada homem como um ser único que é mestre dos seus atos e do seu destino. O existencialismo difere da filosofia tradicional e do homem, pois não acredita que possa existir vida sem sofrimento ou a felicidade eterna. Acredita que as agruras existenciais, dentre elas a angústia, a solidão, o tédio etc., são inerentes à existência humana e, sem elas não há realizações humanas. No pensamento existencialista, portanto, a angústia deixa de ser vista como uma patologia para ser inerente à existência, à condição humana. É ela que tira o homem do quietismo e o leva à ação, o faz mudar de atitude, seu modo de pensar, de agir etc. pela reflexão e discussão acerca dos valores existenciais que ampliam a compreensão da realidade humana. A angústia não é mais, portanto, um sentimento negativo, mas uma experiência que evidencia-se quando tem-se consciência da condição humana de seres livres e únicos. A natureza essencial do homem é a razão pela qual ele adquire consciência dos seres. O que distingue os homens de outros seres é a consciência. A angústia não tem objeto, isto é, nada que existe pode desempenhar o papel daquilo que angustia a angústia. Sendo assim, a angústia de nada pode se assegurar, nem tampouco se tranqüilizar, o que resta apenas é o ser-no-mundo do modo que se é. Quando o nada se encontra com a angústia lembra o homem de sua verdadeira condição, um ser de possibilidades responsável por suas escolhas. Para Camon (1998), a angústia existencial é um sentimento elitista e filosófico, pois, refere-se à totalidade da existência humana e não à experiência pessoal diante do perigo ou aspereza da vida, como é utilizada no senso comum. É através da angústia que o homem direciona seus atos e torna possível agir em busca de novas perspectivas à própria vida.

Angerami – Camon, VA. Psicoterapia existencial. São Paulo: Editora Pioneira, 1998.

2 Comentários

Arquivado em Humanismo, Textos

Possibilidades do envelhecer

 

Google Imagens

Envelhecer pode ser aos vinte, não exatamente aos setenta. Conheço pessoas de vinte anos que estão estagnadas na vida, sem sonhos, sem planos, rendidas ao fracasso, sem vontade de ir além. Envelhecer pode ser a qualquer momento, em qualquer idade, afinal cada dia a mais é um dia a menos na vida. E isso é fato. Envelhecer faz parte do ciclo que se completa, é também poder olhar pra trás e perceber o quanto se caminhou nesta vida e se orgulhar desta caminhada. Se orgulhar por tudo o que construiu, por tudo o que conquistou. E se sentir completo. Perceber que ainda não acabou, e tem muitos caminhos para seguir.  

Envelhecer pode ser o ápice da vida, com sentimento de missão comprida e gostinho de quero mais. Mais tempo pra passear, ler aqueles livros que estão há décadas na estante, curtir encontros com os amigos de longas datas.

Envelhecer é nascer novamente, mesmo que o corpo já não seja tão resistente, mas com uma rotina de exercícios diários, com certeza o bem estar físico vai se tornar presente. As limitações são naturais, mas a ausência de saúde não precisa estar veiculada a idade.

Envelhecer faz parte da vida, observe bem, da VIDA. Então, por que fazer do envelhecimento uma antecipação da morte? Sim, porque envelhecer também pode ser sinônimo de morrer. Não falo da morte física não, porque esta pode chegar em qualquer idade, me refiro em morrer pro que a vida tem de melhor, transformação. Morrer por não se permitir viver esta fase tão cheia de particularidades, por não querer vivenciar todos os momentos que esta idade pode proporcionar.

Envelhecer, neste caso, é também escolher de que forma encarar o envelhecimento. No dicionário, velho é sinônimo de ultrapassado, antiquado, antigo, desusado, o que comumente não se usa mais. Porém na gíria popular pode qualificar companheiro, amigo. Duas representações para uma mesma palavra. Duas possibilidades para uma vida. Dois caminhos possíveis e diferentes. Aceitar a velhice como uma transformação natural é primordial para ser feliz. E o que encontramos hoje, são idosos buscando vitalidade, cuidando dos seus corpos, se preparando para continuar na maratona da vida, respeitando os seus limites e com vontade de ir além.

2 Comentários

Arquivado em Textos

A adoção dos conceitos de normalidade e de adaptação implica também um conceito pré-formado da realidade

 

Google Imagens

Na atualidade, Pathos é conceituado como o radical que concebe doença na sua forma original, principalmente do ponto de vista psiquiátrico. No entanto, a conceituação de Pathos é bem mais abrangente, é pensado como algo inerente ao ser humano, que atravessa toda a dimensão humana. Ao adotar os conceitos de realidade como sendo o da realidade comum compartilhada, colocando como regras as noções de adaptação e normalidade, estaremos colocando tudo o que foge a norma como uma alteração da realidade com cunho pejorativo, como anormal, ou como loucura. Segundo Foucault, os modos de expressão da loucura diferem e são aceitos segundo a cultura e o período histórico, determinado em função das normas sociais. Vários personagens históricos foram caracterizados como loucos devido as suas atitudes incomuns perante a sociedade. Alguns por quererem mudar a realidade, muitas vezes social, não se tratando de alteração da realidade no sentido de loucura. A radicalidade de suas atitudes, muitas vezes desafiadoras, em busca dos objetivos considerados impossíveis pelo resto da sociedade. Imaginem Francisco de Assis, hoje considerado pelos religiosos como um santo, mas que usou de toda sua radicalidade ao sair peregrinando pelas ruas, largando a família e todo o dinheiro que tinha para se juntar aos pobres e doentes excluídos pela sociedade, com o objetivo de servir ao seu Deus. Este Francisco foi considerado um louco na época. Considerar um homem como louco somente pelo modo de se comportar é reduzir demais a psicopatologia e o homem.

A psicopatologia não pode ser vista somente com o olhar da psiquiatria, mas também como pathica, sem esquecer a perspectiva histórica da doença mental descrita por Foucault, afinal muitas vezes a pessoa se torna louca pela forma que a cultura prevê.

É certo que uma patologia não terá somente uma origem. Não devemos qualificá-la como sendo de origem endógena, pois manteríamos a idéia objetivista do ser humano, reduzindo-o biológico. Pensar que o ser humano tem uma pré-disposição em adquirir alguma psicopatologia de origem endógena, como algo somático que pode ser medicado.  Atualmente os consultórios médicos estão cheios de pessoas que foram diagnosticadas como depressivas ou ansiosas e precisam de medicação para que os hormônios responsáveis pelo bem estar dessas pessoas sejam normalizados. As psicopatologias estão, nestes casos, associadas as taxas hormonais, sem levar em conta a vida social, política, cultural destas pessoas. Assim como não podem ser apenas de origem endógena, o mesmo vale para a questão cultural e situacional que atravessa o endógeno e o cultural. É importante a dimensão orgânica e psíquica como um todo, evitando o dualismo predominante, pois mesmo o genético está associado à mundanidade. Para Binswanger a psicopatologia extrapola o puramente biológico, psicológico ou cultural. O homem precisa estar em equilíbrio com o mundo, determinado por ele como Umwelt (mundo físico e biológico), Mitwelt (mundo social, como a família e os amigos) e o Eingenwelt (mundo pessoal, corpo). A partir do equilíbrio destas três dimensões o homem poderá viver uma existência autêntica.

Os desvios da realidade que são colocados como o anormal e, muitas vezes, a expressão de doença mental, rompem com a idéia de que o homem é um ser livre, um ser-no-mundo, composto de pathos. Aqui qualificado como tudo o que diz respeito ao homem, que atravessa a dimensão humana. Paixão, sofrimento, estariam ligados a uma dis-posição que antecede o querer e o conhecer. Essa disposição torna-se muitas vezes o elemento motor, o sopro da vida de toda uma existência.

Deixe um comentário

Arquivado em Disciplinas, Psicopatologia fenomenológica, Textos

Desenvolvimento da mídia na contemporaneidade

Google Imagens

O desenvolvimento da mídia se acelera a cada dia, e com a modernização está atingindo cada vez mais um publico abrangente, passando por várias classes sociais, interligando locais de difícil acesso as grandes cidades. Atualmente é cada vez mais comum as residências com mais de um aparelho de televisão, todas moderníssimas, com telas em LCD, ou projeções mais atuais. A maioria das famílias dispõem em suas casas de televisão, aparelhos de som, telefones, computadores, aparelhos celulares, internet. O mundo se comunica e as pessoas sentem necessidade de se inserir neste mundo da informação e da conectividade. A mídia possui um poder muito grande, ela diz qual a melhor escola para estudar, qual o melhor carro para comprar, a roupa que a pessoa precisa usar para estar nas tendências da moda. A mídia tem condições de construir anjos e demônios, fazer pessoas serem amadas ou odiadas, e tudo isso com um click, basta ligar a televisão. Tratam-se de meios com uma impressionante capacidade de exceder as finalidades particulares para as quais foram concebidas. Com os meios de comunicação de massa criaram-se novas formas de socialização e intensificou-se o seu papel estruturador do cotidiano e de geração de efeitos sobre os indivíduos. Acredito que repercussão social da mídia poderia contribuir positivamente para o crescimento da sociedade, do homem como ser humano, no entanto, o que vejo é uma repercussão social que atinge diretamente o sujeito de modo que interfere na maneira como ele conduz a sua vida e se socializa com as demais pessoas. Deste modo, a importância que é dada a mídia pode superar os seus valores e suas virtudes morais.  Atualmente está sendo veiculada na televisão, no horário nobre, propaganda de operadora de telefonia celular aonde o contexto é agressivo a situação do idoso. Um jovem aparentando vinte anos, em conversa com a tia, uma senhora idosa, com dificuldades de audição, não consegue compreender a linguagem moderna do jovem e é ridicularizada por isso. A idéia central da propaganda é mudança de operadora, ou seja, a mudança para o novo, desqualificando a outra operadora por ser velha. A senhora da propaganda, foi incapaz de entender isso. Além da eventual má-fé e deliberado uso perverso, há uma destrutiva espontaneidade na forma com que os meios de comunicação de massa são operados. Passamos anos assistindo propagandas de cigarros representados por homens aventureiros e saudáveis que acendiam e tragavam os seus cigarros como se o fumo trouxesse algum tipo de beneficio, charme, milhares de pessoas foram seduzidas por essa idéia. As campanhas que são feitas hoje tentam desmistificar o que foi induzido e impedir que mais pessoas se interessem pela droga que custa milhões aos cofres públicos. A mídia é bastante abrangente e como destaquei seus efeitos podem ser positivos, mas também podem ser nocivos. Infelizmente há uma manipulação do sujeito, e confusão em relação a própria identidade que atinge crianças, jovens, adultos e idosos. Estimular a interpretação daquilo que se recebe por meio da TV, do rádio, da internet, etc. definitivamente se faz relevante enquanto parte do processo de comunicação, mas requer um complemento que desperte junto ao sujeito, a importância de também se produzir mídia conscientemente. Eis o desafio que nos aguarda.

Vládia Almeida

 

1 comentário

Arquivado em Social, Textos

O Efeito Bullying

Google Imagens

Na última década, o Bullying é um fenômeno que preocupa as autoridades, sobretudo as escolares. Bullying cujo termo em inglês é para descrever atos de violência física ou psicológica, repetidos, intencionais, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos. Se fizermos uma breve reflexão, observaremos que o Bullying sempre esteve presente em nossas vidas, seja como um ato de nossa autoria ou em um momento onde fomos vítimas. A verdade é que a prevenção do Bullying deve começar em casa, junto com a educação que recebemos de nossos pais e familiares. Uma ‘brincadeira’ sem graça, onde apenas uma das partes se diverte, não deve ser vista como brincadeira, como se tratasse apenas de diversão. As enormes conseqüências dessa atitude podem acompanhar um sujeito por toda a sua vida, sobretudo se ele não tiver capacidade de lidar com a situação, superar os obstáculos, resistir à pressão. O interessante é que o Bullying sempre é mais uma ‘brincadeira’ para quem o pratica, mas nunca para quem o recebe. Uma forma de violência que deve ser controlada, fazendo um trabalho de conscientização nas escolas, de modo que os agressores não sejam condenados ao isolamento.  Para que a resposta as atitudes de Bullying também não sejam atos de Bullying, a escola deve cuidar também dos agressores de modo a tentar compreender o motivo de tal comportamento e elaborar um projeto que facilite a convivência entre todos e o respeito às diferenças. Afinal, o Bullying é o resultado da intolerância as diferenças.

1 comentário

Arquivado em Meus Posts

A dissecção da personalidade psíquica

Os sintomas são derivados do reprimido, são, por assim dizer, seus representantes perante o ego; mas o reprimido é território estrangeiro para o ego. A trajetória conduziu dos sintomas do inconsciente à vida dos instintos, à sexualidade. E assim a psicanálise descobriu que os seres humanos não são simplesmente criaturas sexuais, mas têm também impulsos mais nobres e mais elevados.

Os seres humanos adoecem de um conflito entre as exigências da vida instintual e a resistência que se ergue dentro deles contra a vida instintual.

O nosso próprio ego pode ser transformado em objeto, pode tratar-se como trata outros objetos, pode observar-se, educar-se, criticar-se, sabe-se lá o que pode fazer consigo mesmo. Assim o ego pode ser dividido, durante numerosas funções, pelo menos temporariamente. Depois suas partes podem juntar-se novamente.

O conteúdo dos delírios de ser observado já sugere que o observar é apenas uma preparação do julgar e do punir, e por conseguinte, deduzimos que uma outra função desta instância deve ser o que chamamos nossa consciência. Dificilmente existe em nós alguma outra coisa que tão regularmente separamos de nosso ego e a que facilmente nos opomos como nossa consciência. Sinto-me inclinado a fazer algo que me dá prazer, mas abandono pelo motivo de minha consciência não admitir. Ou me deixo persuadir por uma expectativa muito grande que a voz da minha consciência fez objeções e, após o ato, minha consciência me pune com censuras dolorosas e me faz sentir remorso pelo ato. Essa instância existente no ego, chama-se superego.

O melancólico, assim como outras pessoas, pode mostrar um grau de severidade maior ou menor consigo mesmo nos seus períodos sadios, durante um surto melancólico seu superego se torna super perverso, insulta, humilha e maltrata o pobre ego, ameaça com os mais duros castigos, recrimina-o por atos do passado mais remoto, que havia sido considerado à época, insignificantes. O superego aplica o mais rígido moral ao ego indefeso que lhe fica a mercê; representa em geral, as exigências da moralidade, e compreendemos imediatamente que nosso sentimento moral de culpa é expressão da tensão entre o ego e o superego. Após alguns meses, a crítica do superego silencia, o ego é reabilitado e novamente goza de todos os direitos do homem, até o surto seguinte. Em determinados tipos de doenças, passa-se algo do tipo ao contrário nos intervalos: O ego se sobressai, celebra um triunfo, como se o superego tivesse perdido toda a sua força, ou tivesse fundido no ego, e esse ego liberado, maníaco, se satisfazendo desinibidamente de todos os seus apetites.

As crianças de tenra idade são amorais e não possuem inibições internas contra seus impulsos que buscam prazer. O papel que mais tarde é assumido pelo superego é desempenhado, no início, por um poder externo, pela autoridade dos pais. A influência dos pais governa a criança, concedendo-lhe provas de amor e ameaçando com castigos, os quais, para a criança, são sinais de perda do amor e se farão temer por essa mesma causa. Quando a coerção externa é internalizada, e o superego assume o lugar da instância parental e observa, dirige e ameaça o ego, da mesma forma que os pais faziam com as crianças. O superego assume o poder, a função e até mesmo os métodos da instância parental, não é simplesmente seu sucessor, mas seu legítimo herdeiro. O superego parece ter sido unilateral e ficado apenas com a rigidez e severidade dos pais, com sua função proibidora e punitiva ao passo que o cuidado carinhoso deles parece não ter sido assimilado e mantido. Contrariando nossas expectativas, a experiência mostra que o superego pode adquirir essas mesmas características de severidade inflexível, mesmo tendo a criança sido educada de forma branda e afetuosa e se tenha evitado, na medida do possível, ameaças e punições.

Ao superego atribuímos-lhe as funções de auto-observação, de consciência e de manter o ideal. Daquilo que dissemos sobre sua origem, segue-se que ele pressupõe um fato biológico extremamente importante e um fato psicológico decisivo, ou seja, a prolongada dependência da criança em relação aos pais e o complexo de Édipo, ambos intimamente inter-relacionados. O superego é para nós o representante de todas as restrições morais, o advogado de um esforço tendente à perfeição, e em resumo, tudo o que podemos captar psicologicamente daquilo que é catalogado como o aspecto mais elevado da vida do homem.

Em relação ao id ele está repleto de energias instintuais, porém não possui organização, não expressa uma vontade coletiva, mas somente uma luta pela consecução da satisfação das necessidades instintuais que nele encontram expressão psíquica. As leis lógicas do pensamento não se aplicam ao id, e isto é verdadeiro, acima de tudo, quanto à lei da contradição. O id não conhece nenhum julgamento de valores: não conhece o bem, nem o mal, nem moralidade. Domina todos os seus processos o fator econômico ou, o fator quantitativo, que está intimamente vinculado ao princípio do prazer.

Deixe um comentário

Arquivado em Disciplinas, Psicanálise, Textos