Arquivo do mês: setembro 2009

Ausente!

Fora do ar temporariamente! Semana de prova!! Já já eu volto!!

Fora do ar temporariamente! Semana de prova!! Já já eu volto!! Vládia

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Meus Posts

Mafalda

Google Imagens

Google Imagens

1 comentário

Arquivado em humor, Pra ficar bem

Esquizofrenia

esquizofrenia

Saiu hoje, no jornal Diário do Nordeste, matéria sobre a inclusão de pacientes esquizofrênicos no mercado de trabalho. A esquizofrenia se caracteriza por uma desorganização no processo mental, na qual o esquizofrênico perde o sentido da realidade ficando incapaz de distinguir a experiência real da imaginária. Alucinações, delírios, alterações de comportamento são alguns sintomas da esquizofrenia. Geralmente, os primeiros sintomas aparecem antes dos quarenta anos de idade. A esquizofrenia é uma doença grave que está entre as dez maiores causas de invalidez, mas que, no entanto, com o diagnóstico de forma precoce e tratamento pode trazer qualidade de vida ao paciente. Um dos maiores desafios para os profissionais e familiares de portadores de esquizofrenia é fomentar a sua inserção social, principalmente no mercado de trabalho. A matéria apresenta também o trabalho desenvolvido pelo Hospital de Saúde Mental de Messejana com portadores de esquizofrenia e ressalta a importânica da família no diagnóstico e adesão ao tratamento de pessoas com esquizofrenia. Leia a matéria na íntegra aqui.

Para quem tiver interesse no assunto, achei um site na web dedicado a familiares e portadores. Entendendo a Esquizofrenia, para navegar, basta clicar aqui.

 


Deixe um comentário

Arquivado em Matérias, Meus Posts

Vida Maria

vidamaria-photo01

Vida Maria é um curta-metragem em animação 3D que tem como personagem principal Maria José, com seus sonhos interrompidos ainda criança, quando precisou abrir mão de suas descobertas, das letras, dos estudos, para se dedicar ao trabalho. Ela cresce, conhece Antônio e se casa, tem filhos, entre eles, Maria de Lourdes e aí mais um ciclo se repete, pois Maria José age com Lourdes exatamente como sua mãe agiu, reproduzindo o seu passado no futuro da filha.

vidamaria-photo02vidamaria-photo04

 

 

 

 

 

Assisti a esse filme na aula de social e fiquei completamente encantada com a narração, os detalhes, as cores, as expressões, um trabalho de animação perfeito. Recomendo demais! E se alguém quiser informações sobre o filme, é só acessar o link Vida Maria na categoria Pérolas & Artes deste blog.

Vládia Almeida

12 Comentários

Arquivado em Dicas, Meus Posts, Pra ficar bem, Vídeos

Curso de Escutatória por Rubem Alves

Belo texto do Rubem Alves sobre a incapacidade de ouvir, muitas vezes porque estamos dominados por nossa arrogância, nossa vaidade. As vezes  porque nos julgamos bons demais, ocupados demais e ouvir dá trabalho, requer tempo, atenção, doação. E a vida passa tão depressa, não é mesmo? Seja qual for a nossa justificativa, afinal, são tantas, merecemos parar um pouquinho e apreciar essa leitura. Espero que gostem.

Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar. Ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em oferecer um curso de escutatória. Mas acho que ninguém vai se matricular. Escutar é complicado e sutil…. 
Diz Alberto Caeiro que “não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma”. Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas… Para se ver, é preciso que a cabeça esteja vazia. 
Parafraseio o Alberto Caeiro: “Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito; é preciso também que haja silêncio dentro da alma”. Daí a dificuldade: a gente não agüenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor, sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer.  
Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração e precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor. 
Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade: no fundo, somos os mais bonitos… 
Tenho um velho amigo, Jovelino, que se mudou para os Estados Unidos estimulado pela revolução de 64. Contou-me de sua experiência com os índios….
Reunidos os participantes, ninguém fala. Há um longo, longo silêncio. (Os pianistas, antes de iniciar o concerto, diante do piano, ficam assentados em silêncio, abrindo vazios de silêncio, expulsando todas as idéias estranhas.). Todos em silêncio, à espera do pensamento essencial. Aí, de repente, alguém fala. Curto. Todos ouvem. Terminada a fala, novo silêncio. Falar logo em seguida seria um grande desrespeito, pois o outro falou os seus pensamentos, pensamentos que ele julgava essenciais. São-me estranhos. É preciso tempo para entender o que o outro falou. Se eu falar logo a seguir, são duas as possibilidades. 
Primeira: “Fiquei em silêncio só por delicadeza. Na verdade, não ouvi o que você falou. Enquanto você falava, eu pensava nas coisas que iria falar quando você terminasse sua (tola) fala. Falo como se você não tivesse falado”. 
Segunda: “Ouvi o que você falou. Mas isso que você falou como novidade eu já pensei há muito tempo. É coisa velha para mim. Tanto que nem preciso pensar sobre o que você falou”. 
Em ambos os casos, estou chamando o outro de tolo. O que é pior que uma bofetada. O longo silêncio quer dizer: “Estou ponderando cuidadosamente tudo aquilo que você falou”. E assim vai a reunião. Não basta o silêncio de fora. É preciso silêncio dentro. Ausência de pensamentos. E aí, quando se faz o silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia. 
Eu comecei a ouvir. Fernando Pessoa conhecia a experiência, e se referia a algo que se ouve nos interstícios das palavras, no lugar onde não há palavras. A música acontece no silêncio. A alma é uma catedral submersa. No fundo do mar – quem faz mergulho sabe – a boca fica fechada. Somos todos olhos e ouvidos. Aí, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia, ouvimos a melodia que não havia, que de tão linda nos faz chorar. Para mim, Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também. Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto.

Rubem Alves

Google Imagens

Google Imagens

 

Rubem Alves é escritor, professor e psicanalista, nasceu no dia 15 de setembro de 1933, em Boa Esperança, sul de Minas Gerais. Para saber mais sobre sua obra, acesse o link A Casa de Rubem Alves na categoria de Pérolas e Artes deste blog.

 

4 Comentários

Arquivado em Meus Posts, Textos