Arquivo da categoria: Livros

AMOR E ÓDIO – A AMBIVALÊNCIA DA MÃE

O real do ódio é o impossível da fusão

No texto Amor e ódio – A ambivalência da Mãe, a autora nos apresenta a figura da mãe e a representação do “ódio” sentido pela mesma. As revelações em relação a dimensão imaginária, não simbólica, que o ódio pode constituir. A loucura de um gozo materno que o parto obriga a mulher a atravessar, pois quando o corpo sai do corpo o real aparece. Deste modo, dar a vida supõe um luto não apenas da criança no útero, mas também daquela que acaba de nascer. Ter um filho é justamente não mais o ter. Da impossibilidade da fusão mãe/filho, acontece um ódio imaginário que adianta-se ao amor. Da necessária desfusão, do reconhecimento num retorno ao feminino subsistirá o “ódio suficientemente bom”, simbólico. Mãe e filho têm de iniciar logo o luto de um e de outro. Para cada um, o objeto está para sempre perdido. Inicialmente, a criança não tem o objeto, ela é o objeto, e, no caso, perdido. Progressivamente a ilusão que acomete a mãe e o filho de serem um só, se perde e prepara a criança para a “capacidade de estar só”.

O outro traumatismo do nascimento: o parto.

A violência a qual é submetida as mulheres quando dão a luz uma criança pode ser a origem do ódio, que supõe-se atravessar todo o amor materno. O ódio evoluirá no registro imaginário se no fantasma materno o lugar da criança corresponder ao do objeto parcial, de posse e até mesmo do objeto real, que viria negar aquilo que foi identificado como uma perda, ou preenchimento do vazio evocado pelas mães em sofrimento. Nessa confusão, a criança permanece como um objeto real no fantasma materno. Dito de outro modo, em vez de ser revelada uma necessária perda interior, uma relação continua a ser estabelecida um amor fundado no gozo que visa, finalmente para a criança dominar aquilo de que a mãe é objeto submetido. O ódio simbólico é então aquele que possibilita a mãe elaborar, não mais a perda do real, mas a falta estrutural. Se a relação do sujeito com a mãe for a fonte da sua existência, acrescentamos que a relação mãe/filho pode ser o elemento que vem autenticar sua própria existência. Se a mãe é portadora da identidade em formação do bebê, ele pode conferir uma identidade à sua mãe como narcisante.

O fenômeno da castração é um lugar em que se apóiam a operação simbólica e humanizadora, a operação que consiste em privar a pulsão da satisfação imediata com o objeto visado pode tomar a via da sublimação, mas também do recalque neurótico, ou até mesmo a via perversa. Uma criança que para poder separar-se do corpo a corpo com a mãe, deve antes de tudo, ter estado ali para não ter que passar por uma regressão no momento em que esta operação se faz necessária.

Se a castração vem da privação ao mesmo tempo real e simbólica que atinge um objeto até então erotizado e repentino acesso proibido, a criança pode representar tal objeto para a mãe.

Castrações Maternas

Se a questão psíquica do parto é vivida apenas como perda real, privação, o ato de parir “passagem ao ato” corre o risco de nunca tornar-se “dar a luz”, isto é, momento simbólico, fonte de vitalidade para o narcisismo materno. Do ponto de vista materno, a placenta é perdida para a mãe e para o bebê, o corte umbilical está para os dois.

No desmame a criança fica privada do seio, e o seio fica privado da criança. Para a criança corresponde a separação de uma parte de si mesma que se alojava no corpo da mãe que, por sua vez, sente uma separação do objeto filho ainda investido como parte dela mesma. O benefício simbólico à criança é que assim separada do vital materno, ela possa voltar-se para outrem.

O acesso ao estado anal tem o valor de uma nova separação para a criança e parece corresponder para a mãe a um segundo desmame. Confirma o fato que para sobreviver a criança não precisa de exclusividade do seu poder materno. Na medida que a criança perde uma mãe que faz tudo, a mãe perde uma criança que precisa dela para tudo. Assim, falta a dependência materna e se humaniza o desejo numa sucessão de perdas e reencontros sobre a falta. Não se vive mais para o outro e sim, com o outro.

O ódio inscreve sua marca na dinâmica simbólico-real fazendo com que a desprivação real seja um ganho de originalidade compensatória e construtiva. A “mãe suficientemente cheia de ódio” faz laço na partilha entre a mulher e a mãe, entre a ama e a mãe. “Suficientemente” implica que o ódio seja necessário para toda separação. Para odiá-lo é preciso que antes tenhamos amado, e para separar-se é preciso que apesar desse amor, possamos odiá-lo.

Psicogênese da mãe

Suponhamos que uma criança carregada nove meses tenha se revestido dos aspectos de objeto interior essencial para o corpo da mãe. Os investimentos da mãe devem passar desse objeto interior que favorecia um certo retraimento narcísico, uma certa gratificação narcísica para um objeto exterior novo. O conceito de “desinvestimento materno” corresponde ao tempo em que o desejo da mãe, para sua satisfação, tem como objetivo um outro objeto além da criança. O que vai possibilitar a mãe emergir dessa unidade é a “castração umbilical”, e a atualidade de suas relações sexuais. Desinvestir a criança não pode ser confundido com abandono, nem como ausência do olhar, mas com um outro olhar para ela e para o que ela representa.

A primeira relação objetal com a criança funda-se num modo regressivo induzido pela preocupação materna primária, no modelo edípico no qual está enodada a primeira relação da mãe com a sua própria mãe. Do mesmo modo que a criança elabora a ausência da mãe, a mãe suportará a ausência do seu bebê, assim sendo, ninguém completou ninguém porque um pode sobreviver a ausência do outro. E se ninguém é completado, a mãe ainda precisa encontrar sexualmente o “pai” e acriança desinvestida terá que estabelecer outras relações objetais. Esse processo não ocorre sem desordens, e é por isso que deve ser “resolvido” num conflito, o Édipo propriamente dito.

Édipo

Se mãe e filho saíram ilesos dessas crises, eis aí um bebê ao qual o desenvestimento materno conferiu autonomia de funcionamento: a que autoriza a pulsão a encontrar satisfação na ausência da mãe. Mudando de objeto libidinal, a mãe retoma uma posição genital. Se ao passo da criança ser autônoma, ela continua na dependência da mãe, e a mãe na dependência dessa dependência o campo abre às manifestações psicopatológicas. A primeira relação, tanto para o menino quanto para a menina, estabeleceu-se com a mãe. A evolução dos primeiros tempos dessa relação nos convida a só considerar como edípica a articulação das pulsões arcaicas naquilo que foi sublimado com o desejo sexual genital. Ambos estão numa luta contra o terror da transgressão do interdito incesto. Trata-se do equilíbrio sempre frágil em torno da problemática da ambivalência e da separação, campos nas quais a ambivalência da criança reflete e repete para a mãe a ambivalência em relação à sua própria mãe.

Latência

Latência corresponde como um dos estágios do desenvolvimento afetivo da criança. Corresponde ao período social e de socialização representado pela escola e pelo tempo de aprendizagens para a criança. A entrada na escola assina socialmente a separação da mãe e da criança, trazendo a intervenção de um terceiro separador real ou imaginário, entre o sujeito e o objeto. Para que a escola se inscrever nessa dimensão separadora da mãe e da criança, é preciso que este papel e esta função tenham sido reservados ao “pai” simbólico, como a metáfora estruturante da linguagem e do pensamento.

As dificuldades encontradas pela criança na fase da latência, põem estar relacionadas a falha da mãe em sua função continente e libidinizante e a do pai em sua função separadora e estruturante da personalidade.

Puberdade e adolescência

Aqui, no início da adolescência, a criança tornada púbere, perseguindo sua busca do gozo esperado e jamais atingido, irá se voltar para seus pares, ou seja, aqueles que tiveram que renunciar aos gozo, que tiveram a mesma castração e a mesma falta. O Édipo pubertário convoca novamente mãe e filho a repensar suas possibilidades subjetivas de enunciação desse desejo. Como continuar sendo mãe de um filho em relação ao qual não mais se pode evitar reconhecer que é sexuado, capaz por sua vez de procriar? Cada vez mais semelhantes. A mãe, a quem a evolução pubertária do filho fragiliza inevitavelmente, deve atestar sólidas defesas narcísicas se não quiser sofrer um profundo ferimento. É preciso que haja renúncia para que tenhamos um final feliz. Se apesar de tudo a mãe continua a amar, proteger o filho, a criança pode ir, tronar-se uma mulher, ou um homem não muito carregados de remorso.

Pai

Se não é necessário que haja um homem para que haja um pai. Não poderia haver mãe sem pai. O mito freudiano funda a função paterna de Lacan como simbólica e estruturante, mesmo na ausência de qualquer pai real, e como vetor de uma lei universal na origem da separação mãe/filho. É o pai que ocupa o desejo da mãe quando esta não está presente, se ela vai é porque o filho não a preenche. O pai aqui é visto, como aquele que priva a criança de possuir a mãe só para si.

O pai se revela como função terceira que vem separar, organizar o mundo como tal, e dar a criança o sentido de realidade, em oposição àquilo que, do corpo no corpo, foi atravessado na experiência da maternidade.

Referências Bibliográficas

BENHAIM, Michèle. Amor e ódio, a ambivalência da mãe. Pág. 17 a 38. Rio de Janeiro: Companhia de Freud Editora, 2007.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Infância, Livros, Textos