Arquivo da categoria: Psicopatologia fenomenológica

A adoção dos conceitos de normalidade e de adaptação implica também um conceito pré-formado da realidade

 

Google Imagens

Na atualidade, Pathos é conceituado como o radical que concebe doença na sua forma original, principalmente do ponto de vista psiquiátrico. No entanto, a conceituação de Pathos é bem mais abrangente, é pensado como algo inerente ao ser humano, que atravessa toda a dimensão humana. Ao adotar os conceitos de realidade como sendo o da realidade comum compartilhada, colocando como regras as noções de adaptação e normalidade, estaremos colocando tudo o que foge a norma como uma alteração da realidade com cunho pejorativo, como anormal, ou como loucura. Segundo Foucault, os modos de expressão da loucura diferem e são aceitos segundo a cultura e o período histórico, determinado em função das normas sociais. Vários personagens históricos foram caracterizados como loucos devido as suas atitudes incomuns perante a sociedade. Alguns por quererem mudar a realidade, muitas vezes social, não se tratando de alteração da realidade no sentido de loucura. A radicalidade de suas atitudes, muitas vezes desafiadoras, em busca dos objetivos considerados impossíveis pelo resto da sociedade. Imaginem Francisco de Assis, hoje considerado pelos religiosos como um santo, mas que usou de toda sua radicalidade ao sair peregrinando pelas ruas, largando a família e todo o dinheiro que tinha para se juntar aos pobres e doentes excluídos pela sociedade, com o objetivo de servir ao seu Deus. Este Francisco foi considerado um louco na época. Considerar um homem como louco somente pelo modo de se comportar é reduzir demais a psicopatologia e o homem.

A psicopatologia não pode ser vista somente com o olhar da psiquiatria, mas também como pathica, sem esquecer a perspectiva histórica da doença mental descrita por Foucault, afinal muitas vezes a pessoa se torna louca pela forma que a cultura prevê.

É certo que uma patologia não terá somente uma origem. Não devemos qualificá-la como sendo de origem endógena, pois manteríamos a idéia objetivista do ser humano, reduzindo-o biológico. Pensar que o ser humano tem uma pré-disposição em adquirir alguma psicopatologia de origem endógena, como algo somático que pode ser medicado.  Atualmente os consultórios médicos estão cheios de pessoas que foram diagnosticadas como depressivas ou ansiosas e precisam de medicação para que os hormônios responsáveis pelo bem estar dessas pessoas sejam normalizados. As psicopatologias estão, nestes casos, associadas as taxas hormonais, sem levar em conta a vida social, política, cultural destas pessoas. Assim como não podem ser apenas de origem endógena, o mesmo vale para a questão cultural e situacional que atravessa o endógeno e o cultural. É importante a dimensão orgânica e psíquica como um todo, evitando o dualismo predominante, pois mesmo o genético está associado à mundanidade. Para Binswanger a psicopatologia extrapola o puramente biológico, psicológico ou cultural. O homem precisa estar em equilíbrio com o mundo, determinado por ele como Umwelt (mundo físico e biológico), Mitwelt (mundo social, como a família e os amigos) e o Eingenwelt (mundo pessoal, corpo). A partir do equilíbrio destas três dimensões o homem poderá viver uma existência autêntica.

Os desvios da realidade que são colocados como o anormal e, muitas vezes, a expressão de doença mental, rompem com a idéia de que o homem é um ser livre, um ser-no-mundo, composto de pathos. Aqui qualificado como tudo o que diz respeito ao homem, que atravessa a dimensão humana. Paixão, sofrimento, estariam ligados a uma dis-posição que antecede o querer e o conhecer. Essa disposição torna-se muitas vezes o elemento motor, o sopro da vida de toda uma existência.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Disciplinas, Psicopatologia fenomenológica, Textos